Livros

Livros

sexta-feira, 20 de julho de 2018


Ainda os distantes pontos luminosos no tecto nocturno, aqui e ali o salto de um peixe, cantos da madrugada em aparente dissonância, e ele sem a obstinação do pensar, apenas a leveza do sentir, submerso nas sensações de uma aurora irrepetível, recorda-se de fechar os olhos, assim que sentiu um tímido calor no rosto, e da sua voz se juntar a um coro imemorial de saudação ao ser da vida.
in "Do outro lado do rio, há uma margem"



quarta-feira, 18 de julho de 2018


terça-feira, 17 de julho de 2018

Para onde eu for, levo-me comigo




É estranho pensar no que fui sendo o hoje que sou, mas encontro, apesar de tudo, pontes, umas mais estreitas do que outras, é um facto, dependendo do ontem, há muito que deixei de olhar fotos e objectos de dias idos, não sei porquê, mas, com o tempo, virei-lhes costas, e o véu do desinteresse toldou-me a visão, como se compreendesse o carácter irrepetível das coisas, contudo, apesar desta súbita clarividência, para o amanhã só um enorme bocejo, esvaiu-se-me a magia da meninice, a tal que permitia olhar o mundo como um lugar onde o sonho deixa pegada, sei que não estou só nesta inferência, mas tenho a certeza de que poucos por aqui se demoraram, daí que se tenham acelerado os ponteiros do tempo (…)

domingo, 15 de julho de 2018


É sempre invernosa a compreensão do erro.

in "Preferia ser uma floresta do que uma estrada"

sexta-feira, 13 de julho de 2018


É impossível, com o tempo, não nos tornarmos saudosistas. Acho que as saudades são proporcionais aos grisalhos. É uma aprendizagem da vida. Parece que, de certa forma, vamos sendo empurrados para fora do palco do existir: pela saúde, pelas modas, tecnologia, convenções, ideias, hábitos…

in "Harmonia"

segunda-feira, 9 de julho de 2018

Preferia ser uma floresta do que uma estrada


Sabe, hesitei muito antes de lhe telefonar, mas tinha de lhe dizer que a figueira, sim, essa mesma, foi derrubada (o necessário e arrastado silêncio para trazer o ontem ao hoje), pois, calculei que lhe dissesse respeito, espero não estar a incomodá-la… Óptimo! Óptimo! Não imagina as formas que pensei para iniciar esta conversa, sim, é verdade, parece que temos sempre a mesma idade, obrigado, também é bom ouvi-la, desde já, desculpe o formalismo, mas não me sentia à vontade para tratá-la na segunda pessoa, não estou a ouvir bem… O quê? Ah, sim, já estou a ouvir melhor, olhe, vou-lhe contar as coisas como aconteceram, como sabe, nunca fui amigo da mentira, tive de vender a quinta que era pertença da minha família há, pelo menos, três gerações, era isso ou o meu filho acabava mal, o jogo (por momentos, só se ouvia o respirar dar voz ao sentir)… Sabe como é, quando sobra em tempo o que falta em cabeça, o resultado, por norma, chama-se desastre, foi o que aconteceu (...)


Escrever é uma forma de dizer não ao acontecer.
in "Mas antes, já aqui estivemos"